Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2013

Almas

Se um relógio pudesse contar até ao momento exacto em que encontrarás a tua alma gémea, quererias saber?

 

Um minuto e vinte segundos.

As pernas dela tremiam. Um minuto e dezanove segundos. Olhou á sua volta os rostos das pessoas que passavam por si. O encontro dar-se-ia á porta da estação de comboios. Um minuto e seis segundos. Alguém, algures neste mundo possui a mesma contagem no seu pulso. Cinquenta e três segundos. A sua mãe disse-lhe que ela deveria estar entusiasmada, não nervosa. Dentro de cinquenta segundos iria conhecer a sua alma gémea, a sua outra metade. Olhou para o seu vestido cor-de-laranja e para as suas sabrinas pretas já gastas. Não acredita que a sua mãe lhe convenceu a vestir um vestido. É desconfortável. Abotoa o seu casaco comprido, o frio tornou-se mais violento.

Trinta segundos. Nervosamente mordeu o lábio enquanto olhava em redor. Acabou de chegar um comboio á estação. Ela olhou para o seu pulso. Vinte segundos. O seu coração começou a bater cada vez mais depressa. Os passageiros em passo de corrida começaram a sair e a entrada da estação encheu-se numa multidão. Os seus olhos castanhos perderam-se á procura de alguém que também estivesse perdido, que estivesse á procura da sua alma gémea. Á procura dela.

Restam zeros dias zero horas zero minutos e zero segundos para se encontrar com a sua alma gémea. Um jovem alto de cabelo rapado ao estilo militar parou á sua frente.

- Olá meu amor – sorriu-lhe.

Simultaneamente, um jovem de olhos esverdeados deu um encontrão ao sair com pressa dos grupos de amigos que haviam-se reunido á frente da estação.

- Desculpa minha alma – sorriu-lhe, tirando os fios de cabelo que lhe tapavam o rosto.

Ela e o outro jovem olharam-lhe com um ar confuso. O olhar dela deslizou para o pulso do jovem que acidentalmente lhe dera um encontrão. Zero dias, zero horas, zero minutos e zero segundos. Os três tinham o mesmo número no pulso. 

 

Foi inspirado pelo filme In Time (protagonatizado por Justin Timberlake e Amanda Seyfried) onde as pessoas ao atingirem os 25 anos deixam de envelhecer mas apenas possuem mais um ano para viver. Em ordem de ganhar tempo, trabalham e o seu salário são horas de vida. Assim se distinguem os ricos (basicamente imortais porque possuem imenso tempo) e os pobres que contam todos os segundos da sua vida.

 


HANDS UP.